TSE perdoa Temer

TSE perdoa Temer

TSE perdoa Temer: Cinco grandes lições de como funciona o Brasil

Leonardo Sakamoto

Para quem acompanha a política nacional, esta sexta (9) foi um dia bem instrutivo. Foram, ao menos, cinco grandes lições de como o país funciona:

1) A justiça não é cega – O Tribunal Superior Eleitoral contrariou o relator Herman Benjamin e absolveu a campanha de Dilma Rousseff e Michel Temer de crime eleitoral por 4 votos a 3. Isso garantiu uma sobrevida ao governo de Temer, seu amigo pessoal. Para isso, foi ignorada farta quantidade de provas e evidências apresentadas, mostrando que PT e o PMDB se beneficiaram de caixa 2 na eleição de 2014. A vitória só foi possível graças à atuação constrangedora de Gilmar Mendes, que acumulou as funções de presidente da corte e advogado de defesa. Aviso: quem disser a frase ''Se Dilma Rousseff fosse a presidente, a decisão teria sido outra'', corre o risco de ser processado pelo digníssimo.

2) Vida de jornalista vale pouco – Durante a sessão do julgamento desta sexta, o ministro do TSE Napoleão Maia confessou seu desejo de decapitar ou degolar jornalistas. Por conta de uma denúncia veiculada – de que delatores da JBS haviam envolvido seu nome em um caso de tráfico de influência – Maia desejou que ''desabe a ira do profeta'' sobre os profissionais de imprensa. Ele, que é cristão, apelou a Maomé – demonstrando o melhor do sincretismo religioso tupiniquim. Enquanto falava da ira, simulou o gesto de uma lâmina cortando a própria garganta.

3) O cinismo político não tem limites – Temer, talvez sentindo-se revigorado pelo vento favorável que soprava do TSE, devolveu em branco as 82 perguntas que a Polícia Federal fez a ele no inquérito sobre suspeita de seu envolvimento em corrupção, organização criminosa e obstrução de Justiça. Ele já havia pedido um extensão de prazo para enviar as respostas. Afirmando que as questões se desviaram do tema, solicitou arquivamento do inquérito. Em sua petição, seus advogados reclamaram que ele é ''alvo de um rol de abusos e agressões aos seus direitos individuais e à sua condição de mandatário da nação''.

4) Ética não pode prejudicar negócios – Reportagem da BBC publicada nesta sexta, mostra o que pensa realmente o mercado sobre Temer. ''Quem é o presidente do país fica em segundo plano'', afirmou um empresário. ''Como pessoa física, está todo mundo enojado'', explicou um segundo. ''Se vamos prender todo mundo, não sobra ninguém'', ponderou um terceiro. ''Atrapalhou muito, foi decepcionante'', avaliou um quarto. ''Quem vai conquistar apoio não é ele, são as reformas propriamente ditas. Passadas as medidas, vamos ver se os outros seguirão apoiando um presidente não legítimo'', cravou um quinto. O mercado, na verdade, professa a crença da imortalidade das reformas: se Temer voltar ao pó, reencarnarão no corpo de outra pessoa. Como Rodrigo Maia, Tasso Jereissati, Carmen Lúcia, Fernando Henrique, Nelson Jobim, Henrique Meirelles ou o próprio Gilmar Mendes.

5) O Congresso vive em um universo paralelo –  O mesmo forno a lenha institucional que assou a pizza de Temer no TSE também quer esquentar a de Aécio no Congresso Nacional. O presidente do Conselho de Ética do Senado Federal, João Alberto Souza (PMDB-MA), disse que não sente que há um clima para apoiar o afastamento de Aécio. ''O que eu sinto é que o Senado não concorda com o afastamento do senador. Isso eu tenho visto muito. Eles questionam por que afastar? Por qual argumento?'' Diz que precisa verificar, primeiro, se os áudios são verdadeiros – afinal de contas, o nobre senador mineiro diz que houve armação.

O que essas lições juntas nos ensinam?

Que criminoso mesmo, neste país, é Rafael Braga, preso durante as manifestações de junho de 2013 por portar água sanitária e Pinho Sol. E, depois, preso novamente por, segundo a polícia, carregar uma pequena quantidade de drogas – o que ele nega. Os demais, como não são negros, pretos e pobres, podem fazer o que quiser.

 

http://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/ 




ONLINE
3