Recursos recebidos do Fundeb

Recursos recebidos do Fundeb

 

Após anúncios do piso e Greve Nacional na Educação, gestores decretam calamidade financeira em estados e municípios

21/01/2017 

Apenas nos dois últimos meses de 2016, estados receberam mais de 12 bilhões somente de recursos do Fundeb. O dado é do Banco do Brasil

Da Redação | Logo após anunciados o reajuste do piso dos professores 2017 (7,64%)  e a Greve Nacional da Educação, prevista para março, a Confederação Nacional dos Municípios (CNM) postou em seu portal (19) que:

"43 municípios decretaram Calamidade Financeira, sendo 14 deles do Rio de Janeiro, 11 em Minas Gerais, quatro na Paraíba, quatro em São Paulo, três no Ceará, três no Rio Grande do Norte, dois em Santa Catarina, um no Pará e um no Rio de Grande do Sul".

"A Confederação destaca, ainda, que, em enquete nas redes sociais com gestores municipais, 324 Municípios afirmaram que ainda pretendiam decretar a Calamidade Financeira. Participaram da pesquisa 1.034 pessoas. Para a entidade, os números disparam um alerta, pois o mandato apenas começou e a tendência é se agravar ainda mais".   

Para o G1, a CNM apontou ainda que o impacto nos cofres municipais com o reajuste de 7,64% no piso dos professores será de R$ 5,038 bilhões. A teoria da 'calamidade financeira' é também reforçada pelos governadores, principalmente através de seus secretários de finanças e educação.

Os governadores sempre falam em crise quando se trata de pagar o piso nacional do magistério ou atender outras demandas da educação pública. Dados do Banco do Brasil, contudo, demonstram que os gestores recebem muito dinheiro do Fundeb todos os meses. 

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Crise?

Fundeb: Banco do Brasil demonstra que estados receberam mais de R$ 12 bilhões apenas nos dois últimos meses de 2016! Veja os números

02/01/2017

Da Redação | Dados do Banco do Brasil demonstram que apenas nos dois últimos meses de 2016 estados receberam mais de doze bilhões de reais somente de recursos do Fundeb. Deste total, 60% podem ser usados para pagamento dos profissionais do magistério. O restante é para manutenção e aparelhamento das escolas.

O Estado que recebeu menos foi o Amapá, R$ 135.636.269,97. São Paulo e Minas Gerais estão no topo da lista, com R$ 2.750.771.425,85 e R$ 1.244.774.408,35, respectivamente.  

Considerando que os professores estaduais estão entre os que ganham menos em relação ao funcionalismo de todo o país, e que a maioria das escolas públicas está sucateada, para onde mesmo está indo tanto dinheiro?    

Os educadores, no entanto, não caem nessa velha ladainha. Em 15 de março iniciarão Greve Nacional por tempo indeterminado tanto pelo reajuste do piso como por outras demandas da educação e de todos os profissionais do magistério.

O surrado discurso de 'crise' não cola, porque apenas nos dois últimos meses de 2016, estados receberam mais de 12 bilhões somente de recursos do Fundeb. O dado é do Banco do Brasil.

Veja as tabelas abaixo com os valores recebidos e as despesas de pessoal de dez/2016 da SEDUC/RS

R$ 296.300.021,64 foi o valor que o RS recebeu do FUNDEB, agora em janeiro 2017. A despesa de pessoal na -SECRETARIA DA EDUCAÇÃO foi de R$ 221.809.235,00.  Parcelamento de salários e do 13º salários não são justificados.

Pela Lei do Fundeb, PELO MENOS 60% (sessenta por cento) dos recursos anuais totais dos Fundos serão destinados ao pagamento da remuneração dos profissionais do magistério da educação básica em efetivo exercício na rede pública.

Nenhum texto alternativo automático disponível.




ONLINE
5