A crise do ensino público

A crise do ensino público

“A crise do ensino público” – A quem interessa?

por ISTVÁN MÉSZÁROS

Seria uma ingenuidade, não perceber que a crise do ensino público se arrasta e é fruto de u projeto político e econômico. 

Este sistema é o mais desigual de todas já existentes na história, e ainda nos faz crer que somos todos iguais perante a lei, e o papel de convencimento está no sistema ideológico que proclama e inculque cotidianamente tais valores na mente das pessoas.

“No reino do capital, a educação é, ela mesma, uma mercadoria” p.16. Isso explica a crise do ensino no sistema público, onde as demandas do capital pressiona e controla os investimentos públicos na educação. No livro: “O mundo ao avesso”,autor uruguaio, Eduardo Galeano, fala sobre a interferência do Banco Mundial na educação pública, vejamos:

“O Banco Mundial chama a educação de “um investimento em capital humano”, o que, de seu ponto de vista, é um elogio, mas, num informe recente, propõe como possibilidade reduzir os salários dos professores nos países onde “a oferta de professores” permite manter o nível docente”. P 184. 

As determinações do capital afetam profundamente cada âmbito particular com alguma influência na educação, e de forma nenhuma apenas as instituições educacionais. Estão estritamente ligadas na totalidade dos processos sociais. p.43

E é por meio apenas da tomada de consciência e por meio da iniciativa é que por meio das relações coletivas poderá livrar-nos desta grava situação paralisante de ensino. Mészários faz esta observação, com olhar sobre o ensino e nível mundial, até parece que ele refere-se diretamente ao nosso país, é lamentável que não seja coincidência. 

http://uqdcriticanageografia.blogspot.com.br/2017/12/a-crise-do-ensino-publico-por-istvan.html




ONLINE
13