Edgar Morin em conceitos

Edgar Morin em conceitos

Edgar Morin em conceitos

Pensador centenário tem marcas fundamentais

Morin em conceitos (por ele mesmo)


Leitores me perguntam sobre conceitos essenciais de Edgar Morin, que completou cem anos de idade há dois dias. Eis uma seleção de palavras-chave.

Anel recursivo

Noção essencial para a concepção dos processos de auto-organização e de autoprodução. Constitui um circuito em que os efeitos retroagem sobre as causas, sendo os próprios produtos produtores do que os produz.

Autonomia dependente

Em grego, a autonomia é o fato de cada um seguir a sua própria lei. A autonomia do vivo emerge da sua atividade de autoprodução e de auto-organização. O ser vivo, cuja auto-organização realiza um trabalho ininterrupto, deve alimentar-se de energia, de matéria e de informação externas para regenerar-se em permanência. A sua autonomia é, portanto, dependente e a sua auto-organização é uma auto-eco-organização.

Cultura

Uma cultura é um conjunto de saberes, de savoir-faire, regras, estratégias, hábitos, costumes, normas, interdições, crenças, ritos, valores, mitos, ideias, aquisições, que se perpetua de geração em geração, reproduz-se em cada indivíduo e alimenta por geração e regeneração a complexidade individual e a complexidade social.

Desordem

A noção de desordem envolve as agitações, as dispersões, as turbulências, as colisões, as irregularidades, as instabilidades, os acidentes, os acasos, os ruídos e os erros em todos os campos da natureza e da sociedade. A dialógica da ordem e da desordem produz organização. Assim, a desordem coopera com a geração da ordem organizacional e simultaneamente ameaça, sem parar, desorganizá-lo. Um mundo totalmente desordenado seria um mundo impossível; um mundo totalmente ordenado torna impossíveis a inovação e a criação.

Dialógica

Unidade complexa entre duas lógicas, entidades ou instâncias complementares, concorrentes e antagônicas que se alimentam uma da outra, se completam, mas também se opõem e combatem. Distingue-se da dialética hegeliana. Em Hegel, as contradições encontram uma solução, superam-se e suprimem-se numa unidade superior. Na dialógica, os antagonismos persistem e são constitutivos das entidades ou dos fenômenos complexos.

Ecologia da ação

Em função das múltiplas interações e retroações no meio em que se desenvolve, a ação, uma vez desencadeada, escapa, com freqüência, ao controle do ator, provoca efeitos inesperados e, às vezes, até mesmo contrários aos esperados. 1° princípio: a ação não depende apenas das intenções do ator, mas também das condições próprias ao meio onde se desenvolve. 2° princípio: os efeitos a longo termo da ação são imprevisíveis.

Holograma (princípio hologramático)

Um holograma é uma imagem em que cada ponto contém a quase totalidade da informação sobre o objeto representado. O princípio hologramático significa que não apenas a parte está num todo, mas que o todo está inscrito, de certa maneira, na parte. Assim, a célula contém a totalidade da informação genética, o que permite, em princípio, a clonagem; a sociedade, como todo, pela cultura, está presente no espírito de cada indivíduo.

Imprinting

imprinting é a marca indelével imposta, primeiro, pela cultura familiar e, depois, pela cultura social, que se mantém na vida adulta.

Noosfera

Termo introduzido por Teilhard de Chardin, em O Fenômeno Humano, que designa o mundo das idéias, dos espíritos/mentes, dos deuses, entidades produzidas e alimentadas pelos espíritos humanos na cultura. Essas entidades, deuses ou ideias, dotadas de autonomia dependente (dos espíritos e das culturas que os alimentam) adquirem uma vida própria e um poder dominador sobre os humanos.

Racionalidade, racionalização

A atividade racional da mente comporta: a) modos de argumentação coerentes, associando a dedução e a indução, a prudência e a habilidade (mètis); b) a busca de um acordo entre os seus sistemas de ideias ou teorias e os fatos, dados empíricos e resultados experimentais; c) uma atividade crítica sobre as crenças, opiniões, ideias; d) mais raramente, embora de maneira não menos indispensável, comporta a autocrítica, ou seja, a capacidade de reconhecer as suas insuficiências, limites, riscos de perversão ou de delírio (racionalização). A racionalidade complexa reconhece os limites da lógica dedutiva-identitária que corresponde ao componente mecânico de todos os fenômenos, inclusive vivos, mas não pode dar conta da complexidade deles.

Self-deception

Mentira sincera ou inconsciente para si mesmo

(ver em O Método 5)

 

Direitista e esquerdista

“Direitista, isto é, decidido a nunca mais sacrificar a ideia de liberdade. Esquerdista, isto é,
convencido desde então não mais da necessidade de uma revolução, mas da possibilidade de uma
metamorfose. Finalmente, minha desmistificação me permitiu regenerar minha concepção de esquerda,
que em minha opinião deve sempre beber simultaneamente em quatro fontes: a fonte libertária para
o desenvolvimento dos indivíduos, a fonte socialista para uma sociedade melhor, a fonte comunista
para uma sociedade fraterna, a fonte ecológica para uma melhor integração dos humanos na natureza
e da natureza nos humanos (Lições de um século de vida, livro publicado em junho de 2021 pela
editora francesa Denoël).


https://www.correiodopovo.com.br/blogs/juremirmachado/edgar-morin-em-conceitos-1.653095 




ONLINE
15