Anne de Gaulle

Anne de Gaulle

Pode ser uma imagem de 2 pessoas

 

Anne de Gaulle

A História do general Charles de Gaulle e sua filha com Síndrome de Down (Anne de Gaulle).

A menina da foto é Anne de Gaulle; a terceira filha de Yvonne Vendroux e do general de Gaulle. Nasceu no dia de ano novo em 1928. Seus traços, como podem ver, são os característicos do que hoje chamamos de "Síndrome de Down", e no caso de Anne era severo, tanto que mal conseguia andar com dificuldade.

Nessa época, ter um bebê com deficiência era algo que se escondia, muitos os mandavam direto para institutos mentais onde moravam e morriam, outros os mantinham escondidos em casa, sem atenção, sem amor, apenas trancados e até as vezes amarrados como animais.

Mas os de Gaulles não viam Anne como uma vergonha, mas sim que se sentiam abençoados com ela. A foto que compartilhamos foi tirada em uma praia da Bretanha em 1933. Anne está sentada no colo do pai e ele, vestido com um chapéu de Homburg e um terno de três peças, segura suavemente suas mãos enquanto a menina de cinco anos o olha intensamente nos olhos. É uma imagem de amor incondicional.

Esse amor incondicional fez dela o centro da família de Gaulle. Charles dizia que era “a alegria dele” e que “ela o ajudou a enxergar além das falhas dos homens”.

Charles e sua esposa Yvonne insistiam para que Anne viajasse sempre com eles. O general cantava-lhe músicas e lia-lhe histórias, demonstrando um afeto e ternura que ele realmente não mostrou a muitos membros da sua família. A principal regra da família era que eles nunca deveriam fazer Anne se sentir menos ou diferente do que qualquer outra pessoa.

O general tinha devoção à sua filha, e assim o contava o capelão militar que tratou De Gaulle, com o qual pôde intimar e ser confidente: ‘Para mim, Anne foi uma grande prova, mas também uma bênção. É minha alegria e me ajudou muito a superar todos os obstáculos e todas as honras. Graças a Anne, fui mais longe, consegui me superar.’

Para o seu último biógrafo, Jonathan Fenby, ‘Anne simbolizava para De Gaulle um carinho incondicional e, embora as obrigações parecessem impedi-lo, seu pai estava sempre por perto’.

Em fevereiro de 1948, Anne faleceu de pneumonia nos braços do pai. “Agora ela é como os outros” disse Charles para sua esposa.

‘A sua alma foi libertada, mas a perda da nossa menina, nossa menina sem esperança, trouxe-nos uma imensa dor’.

Outro dos biógrafos do ex-presidente Jean Lacouture regista-o uma vez dizendo: «Sem Anne, talvez eu nunca pudesse ter feito o que fiz. Ela me deu o coração e a inspiração. Nesse sentido, o homem de 18 de junho e a sua amada petite Anne ensinam-nos algo que estamos tentados a esquecer: que todos podemos encontrar força na fraqueza e que nada é mais poderoso do que o amor que se entrega.

Em 1962, 14 anos após a morte de Anne, Charles de Gaulle foi vítima de tentativa de assassinato. Ele declarou depois que a bala que poderia ter sido fatal tinha sido parada pela moldura da fotografia de Anne, que sempre trazia consigo.

Ao morrer em 1970, o general foi sepultado no cemitério com a sua amada filha. Sua mãe juntou-se a eles em 1979.

Dizem que a única palavra que Anne conseguiu pronunciar claramente na sua curta vida foi “pai”.

Miscelânea




ONLINE
14