Base do Ensino Médio é aprovada

Base do Ensino Médio é aprovada

Base do Ensino Médio é aprovada sem aviso prévio

Sessão pública do Conselho Nacional de Educação estava agendada mas pauta não foi divulgada – não houve anúncio de que o tema seria votado na sessão

POR: Laís Semis            

Colaboraram Pedro Annunciato e Sophia Winkel. Publicada em 04/12/2018 

Audiência do Conselho Nacional de Educação (CNE) em Brasília, que aprovou o texto da Base do Ensino Médio, que agora vai para homologação   Foto: MEC

 

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do Ensino Médio foi aprovada e segue agora para homologação do Ministério da Educação (MEC). O documento foi aprovado pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) na manhã desta terça-feira (4/12) sem nenhum voto contrário, apenas duas abstenções. Dos 24 conselheiros, 22 foram favoráveis à aprovação do texto. As abstenções foram de Chico Soares e Aurina de Oliveira Santanna. Aurina foi uma das três conselheiras que se colocou contrária, em 2017, à aprovação do texto da Base da Educação Infantil e Ensino Fundamental, por considerar que o documento ainda precisava de ajustes. Chico era um dos relatores. O texto ainda não foi divulgado.

LEIA MAIS   "Os senhores são especialistas, mas nós temos a prática"

O conselheiro Chico Soares ocupou a função de relator da Comissão Bicameral da Base no CNE nos últimos dois anos. Ele se retirou da função na reta final do processo e se absteve de votar sobre o texto do Médio. “Não posso votar contra porque sou a favor de uma Base. Ela tem uma história e há quatro anos eu falo que uma Base bem especificada é importante para o Brasil”, explicou o conselheiro, após o final. Mas ele foi claro. “Eu ter me abstido é como se eu tivesse votado contra”.

BNCC: entenda as 10 Competências Gerais, que estruturam o trabalho feito nas escolas da Educação Infantil ao Ensino Médio

Para ele, o atual texto não supre dois problemas que considera “muito complicados”. O primeiro é não deixar mais claro como se comportam os componentes curriculares dentro do novo modelo, que dilui os componentes em áreas do conhecimento (Matemática, Linguagens e suas Tecnologias, Ciências da Natureza e suas Tecnologias e Ciências Humanas e Sociais Aplicadas). Chico compara os componentes curriculares às ferragens de um viaduto: “Quando um viaduto cai é porque a ferragem era pouca. As disciplinas são as ferragens de um projeto pedagógico. Eu acho que um projeto que faz um apagamento geral das disciplinas está pouco fundamentado tecnicamente”.

O segundo ponto levantado pelo conselheiro seria o risco de uma cerca inversão de papéis entre Base e o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). “Se a gente especificasse mais a Base, não entregaríamos a definição [de conteúdos] para o Enem. Para mim, é uma coisa que  preferiria que o CNE tivesse definido”, explica Chico, que já foi presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão responsável pelo exame. “Queria o Enem a serviço de um projeto e não como a gente vive hoje, que o Enem define o projeto. O risco disso acontecer é muito grande”, diz. O conselheiro também disse que gostaria de ter tido um "tempo maior" para tratar dos itinerários formativos – a parte flexível do currículo do Novo Ensino Médio.

A reunião decisiva para seguir com a Base

A reunião de hoje foi uma sessão pública do Conselho Pleno, como acontece no início de cada mês. As pautas a serem discutidas, no entanto, não haviam sido publicadas. O tema é de extremo interesse público por impactar diretamente a estrutura do Ensino Médio brasileiro, além de ser controverso. Das cinco audiências públicas agendadas para discutir o documento, duas delas – uma em São Paulo e outra em Belém (PA) –, foram canceladas após manifestações de professores e alunos. De acordo com Luiz Roberto Liza Curi, presidente do CNE, o processo não teria sido diferente ao de 2017. “O Pleno do CNE é acionado pela comissão. A comissão estava em discussão e passou a pauta para o Pleno. Foi exatamente o mesmo processo”, disse. “A comissão decidiu enviar a pauta para divulgação e fazer a discussão. Foi uma falha da nossa equipe de não ter avisado. Do meu ponto de vista, houve a entrega no prazo regimental para colocar em pauta. Isso foi feito”.

LEIA MAIS   BNCC: protesto de professores paralisa discussão do Ensino Médio

Questionado sobre a razão de o CNE votar o texto de maneira repentina, contrariando o formato adotado previamente, Eduardo Deschamps, presidente da comissão da Base no Conselho Nacional de Educação, limitou-se a dizer que "são procedimentos normais que estavam previstos". "No caso da Educação Infantil e do Fundamental, nós tinhamos um trâmite previsto que foi cumprido e aguardava apenas a manifestação da comissão. Agora nós acreditamos que o processo estava mais maduro. Então ontem concluímos o parecer na comissão e foram 18 votos favoráveis ao encaminhamento para o Pleno do CNE", afirmou. 

A sessão teve início oficial às 9h e seguiu até às 13h, sendo retomada novamente às 15h. No entanto, antes do meio-dia, os conselheiros já haviam aprovado o texto. “Diferente da Base do Infantil e Fundamental, não houve pedido de vista [revisão]. Foi uma discussão tão boa e produtiva que conseguimos aprovar. Tinha bastante gente acompanhando, mas lamento a ausência de mais gente no plenário”, afirmou o presidente do CNE.

A falta de anúncio público amplo da votação do texto da Base do Ensino Médio vai na contramão do caminho que toda a discussão da BNCC tomou até então. Em 2015, após a divulgação da primeira versão do documento, o Ministério da Educação abriu uma consulta pública online por cinco meses para receber comentários sobre o documento. Uma segunda versão do texto rodou os estados brasileiros em seminários com a mesma finalidade entre julho e agosto de 2016. Em 2017, com o anúncio da reforma do Ensino Médio, as discussões da etapa foram adiadas. O texto da Educação Infantil e Ensino Fundamental seguiu em audiências públicas pelas cinco regiões do Brasil até sua aprovação, em 15 de dezembro (
relembre como aconteceu aqui).

LEIA MAIS   Qual é o futuro da Base Nacional para o Ensino Médio

Eduardo Deschamps acredita que os principais problemas da Base do Ensino Médio apontados nas audiências públicas foram resolvidos. "Houve um esforço grande para superar esses eventuais entraves", afirmou após a audiência. "Não é um documento perfeito, mas que avançou bastante. E vai ser complementado pelos currículos. É bom diferenciar que são apenas documentos de referência e também levar em consideração que foram apresentados este ano". Curi afirma que todas as manifestações feitas nas audiências públicas foram consideradas na versão aprovada pelo CNE. "Todas foram sistematizadas, analisadas e debatidas. Muitas não foram propostas de fato, mas manifestações simplesmente constrárias de que não queriam a Base. Mas as proposições foram analisadas e aproveitadas", explica o presidente do CNE.

Sobre o foco em Língua Portuguesa e Matemática, bastante criticado por educadores, ele reitera que "esse ponto foi alterado". "Essas disciplinas, além de aparecerem dentro das áreas de conhecimento, também são componentes curriculares isolados. Na verdade, a gente tem que dar uma olhada mais ampla em relação a isso". Deschamps compreende que os currículos deixarão mais claro para os professores como a Base será aplicada em sala de aula. "Existem competências e habilidades e os currículos deixarão isso mais claro".

Em julho deste ano, o conselheiro César Calligari deixou a presidência da comissão também por discordar dos trabalhos. Na época, ele afirmou em nota: O fato é que sobre todos os problemas da reforma, não posso e não vou me calar".

 

Na aprovação do texto da Educação Infantil e Ensino Fundamental, a sessão, além de ter sido divulgada com antecedência para a sociedade, contou até mesmo com transmissão ao vivo. No entanto, em 2017, o CNE não conseguiu passar o documento de primeira. Além dos protestos, as conselheiras Márcia Ângela, Malvina Tuttman e Aurina de Oliveira Santana interromperam a leitura do parecer dos relatores com pedido de vista (mais tempo para leitura e análise do documento). Já os membros do CNE só tiveram acesso à versão revisada do parecer na manhã da votação.

Agora, o documento segue para homologação do Ministro da Educação Rossieli Soares, que fica no cargo até o final do ano. Com a homologação, a Base do Ensino Médio passa a valer como lei para todas as escolas públicas e privadas do Brasil. A Base da Educação Infantil e do Ensino Fundamental foi aprovada em 15 de dezembro do ano passado e já no dia 20 de dezembro estava homologada.

Raio X da Base. A Base do Ensino Médio é bem diferente da Base do Fundamental. Se no Fundamental todas as atuais disciplinas se mantiveram e houve um conjunto (grande) de habilidades para serem desenvolvidas ano a ano, no Médio os reflexos da reforma da etapa de ensino dão as caras. Entre as 13 disciplinas que atualmente fazem parte da grade curricular, apenas Língua Portuguesa e Matemática se mantêm como disciplinas e devem ser oferecidas nos três anos da etapa. As outras disciplinas foram organizadas por área do conhecimento, sendo elas:

-  Linguagens e suas Tecnologias (Arte, Educação Física, Língua Inglesa e Língua Portuguesa)

- Ciências da Natureza e suas Tecnologias (Biologia, Física e Química)

- Ciências Humanas e Sociais Aplicadas (História, Geografia, Sociologia e Filosofia)

Com a reforma, essa etapa passa a ser dividida em dois blocos. Na parte comum, os conteúdos são alinhados à Base. Na outra, os alunos podem escolher entre cinco áreas, desde que haja oferta em sua escola: Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza, Ciências Humanas e Ensino Técnico.

A proposta já constava na reforma do Ensino Médio, aprovada em 2017, que exige a ampliação da carga mínima diária de 4 horas para 5 horas até 2022. Pelo texto aprovado, o currículo da etapa deverá ser composto por até 60% de conteúdos previstos pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e 40% por itinerários formativos em cinco áreas: Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza, Ciências Humanas e Formação Técnica e Profissional. 




ONLINE
6