Butantan, de antídoto à vacina

Butantan, de antídoto à vacina

 

 

De antídoto de cobra à vacina para Covid: a bela e importante história do Instituto Butantan

Conhecido internacionalmente como um centro de excelência na produção de soros antipeçonhentos, o Instituto Butantan é um importante centro científico brasileiro. Além dos soros imunoterápicos, utilizados para combater veneno de serpentes, aranhas e escorpiões, os laboratórios do Instituto produzem vacinas em larga escala, tendo um papel fundamental nas campanhas de vacinação promovidas pelo SUS.

A sua origem data de 1899, momento em que um surto de peste bubônica se espalhava pela cidade de Santos e o governo paulista se viu diante da necessidade de criar um laboratório no estado de São Paulo que pudesse produzir soro antipestoso. A Fazenda Butantan, então, foi desapropriada e o laboratório foi construído no local, localizado no bairro Butantã, em São Paulo.  

Inicialmente, ele era vinculado do Instituto Bacteriológico, atual Instituto Adolfo Lutz. Mas, em fevereiro de 1901, tornou-se uma instituição autônoma e recebeu o nome de Instituto Serumtherápico. O médico Vital Brazil foi escolhido como o seu primeiro diretor. O trabalho desse importante médico sanitarista foi primordial para o desenvolvimento de soros antiofídicos e para o reconhecido internacional que o Brasil ganhou nesse quesito.


Comitiva do embaixador inglês Maurice Bunsen observa cobras no serpentário do Instituto Butantan

Cerca de uma década depois de sua criação, ele passou a ser chamado de Instituto Butantan e construiu uma história determinante para os rumos da saúde pública do país, se tornando o nosso principal produtor de medicamentos imunobiológicos.

A área do Instituto é composta pelo Hospital Vital Brazil, uma biblioteca, um macacário, um serpentário e unidades de produção de biofármacos, além de parques e museus, o que faz com que o Butantan tenha também um importante papel turístico na cidade de São Paulo.

Em 1914, foi inaugurado o Prédio Central do Butantan, posteriormente chamado de Edifício Vital Brazil. Essa obra permitiu a expansão dos setores de pesquisa e produção, ampliando as atividades realizadas pelo Instituto.

Atualmente, o Butantan fabrica 15 variedades de soros antepeçonhas, seis tipos de vacinas simples e combinadas contra tétano, difteria, coqueluche, tuberculose e raiva e o Anti CD3, usado na prevenção de rejeições em cirurgias de transplante.

O sucesso no cumprimento de seus objetivos, entretanto, foi alcançado apesar das dificuldades financeiras e do baixo investimento que ele recebeu em diversos momentos de sua história. Até 1984, os soros eram produzidos de forma artesanal. Essa situação só melhorou quando foi criado o Centro de Biotecnologia, que permitiu a automatização da produção e a ampliação de sua linha de medicamentos. Assim, o Butantan passou a produzir vacinas contra a meningite C e hepatite B, a toxina bolutlínica e biofármacos, como a eritropoetina, utilizada por pacientes que esperam por um transplante renal, e o surfactante pulmonar, empregado no combate à síndrome de imaturidade pulmonar.

Em 2009, o Butantan se tornou responsável pela produção de vacina contra a gripe H1N1, exercendo um papel essencial nas campanhas nacionais de vacinação. No ano de 2010, o Instituto sofreu uma grande perda. Um incêndio atingiu o Prédio das Coleções e mais de 70 mil espécimes de serpentes e 450 mil espécimes de artrópodes foram destruídas. Parte do que foi perdido ainda não tinha sido catalogado, o que gerou um imenso prejuízo para as pesquisas nessa área.  

Com a chegada do Coronavírus ao Brasil, o Instituto Butantan tem se destacado na produção da vacina CoronaVac, realizada em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac. Os resultados dos testes apontaram para uma eficácia de 78% e para uma proteção de 100% contra mortes, casos graves e internações, trazendo esperança a muitos brasileiros de que a vacina produzida pelo Butantan possa ser o caminho para o combate à pandemia no país.

Referências:

https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392002000400011

http://butantan.gov.br/institucional/historico

FONSECA, F. “Instituto Butantã. Sua origem, desenvolvimento e contribuição ao progresso de São Paulo”. São Paulo em Quatro Séculos. São Paulo, Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo. Comissão do IV Centenário da Cidade de São Paulo, v.2, 1954.

 

https://iconografiadahistoria.com.br/2021/01/08/de-antidoto-de-cobra-a-vacina-para-covid-a-bela-e-importante-historia-do-instituto-butantan/?fbclid=IwAR35Fx81HUZ1dlHjm7oLXOeCWVqmwPTfrOi5mj08t2gL0yWatoL7KgAQHkE




ONLINE
30