Centenário de Paulo Freire

Centenário de Paulo Freire

Centenário de Paulo Freire: por que o educador é alvo de ataques do governo Bolsonaro?

Escrito por 

Na última quinta-feira (16), o presidente foi proibido de atentar contra a “dignidade” do intelectual; ataques são parte do governo desde o início

Paulo Freire
Legenda: O centenário do Patrono da Educação Brasileira, Paulo Freire, é celebrado neste domingo (19)  Foto: Agência Senado

O dia 19 de setembro de 2021 marca o centenário do educador Paulo Freire, Patrono da Educação Brasileira, mas a data, celebrada em todo o País, não ganhou a mesma atenção do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Não foi divulgada nem pelo Palácio do Planalto nem pelo Ministério da Educação nenhuma homenagem ou comemoração. 

Pelo contrário: apenas três dias antes, na quinta-feira (16), a Justiça Federal do Rio de Janeiro expediu liminar para que a União "se abstenha de praticar qualquer ato institucional atentatório à dignidade do Professor Paulo Freire na condição de Patrono da Educação Brasileira".

A ação foi movida pelo Movimento Nacional de Direitos Humanos, que argumentou que há "movimentos desqualificadores" por parte de "agentes do Governo Federal". 

Diante de um histórico de investidas contra o intelectual, analistas políticos apontam que este embate em torno do nome de Paulo Freire - incentivado por setores conservadores da classe política - envolve uma disputa de visão de mundos e tem poder de mobilização da parcela da população mais alinhada a estes ideais - inclusive, com repercussões eleitorais

CONTRA A “IDEOLOGIA” DE PAULO FREIRE

Um dos intelectuais mais citados do mundo, Freire é alvo constante de ataques de Bolsonaro. Desde a campanha eleitoral de 2018, o então candidato fazia alusão ao educador pernambucano. 

À época, Bolsonaro afirmou que, se eleito, iria "entrar com um lança-chamas no MEC e tirar o Paulo Freire lá de dentro". O plano de governo do agora presidente tinha como proposta "expurgar a ideologia de Paulo Freire" da Educação brasileira. 

Após assumir a Presidência, Bolsonaro voltou a atacar o Patrono da Educação Brasileira. Em 2019, durante entrevista, chamou o educador de "energúmeno". O presidente chegou a culpar a "filosofia Paulo Freire" pelos baixos índices da educação no País. 

Bolsonaro, no entanto, não foi o único a criticar Paulo Freire, que faleceu em 1996. Aliados do presidente, como Olavo de Carvalho, e ex-ministros do seu governo também fizeram constantes críticas a ele. 

ATAQUES VINDOS DO MEC

O então ministro da Educação, Abraaham Weintraub, por exemplo, usou das redes sociais por mais de uma vez para atacar o educador. Em agosto de 2019, ele divulgou um mural feito em homenagem a Paulo Freire e provocou: “É ou não é feio de doer?”.

Na mesma sequência de publicações, ele divulgou entrevista criticando Freire. "Pena que perdemos tempo nesse fetiche da esquerda: Paulo Freire", acrescentou.  

 

Congresso Nacional
Legenda: Nesta segunda-feira (20), eventos irão celebrar ao centenário de Paulo Freire irão ocorrer no Congresso Nacional   Foto: Roque de Sá/Agência Senado

 

Em março de 2020, também pelo Twitter, ele citou o intelectual ao falar de informação falsa sobre suposto "kit gay". "Paulo Freire e kit gay não têm vez no MEC do presidente Jair Bolsonaro", disse Weintraub. 

Pesquisadora do Laboratório de Estudos sobre Política, Eleições e Mídia (Lepem) da Universidade Federal do Ceará (UFC), a socióloga Paula Vieira explica que o embate em torno do nome e da obra de Paulo Freire é "uma disputa de visão de mundo". 

"É uma disputa de ideias, no que diz respeito à Educação - que não é apenas escolar, mas está em todas as dimensões da sociedade. E o conservador, para manter seu espaço na sociedade, precisa disputar". 

Paula Vieira - Pesquisadora do Lepem-UFC

A figura de Paulo Freire tornou-se, então, "simbólica" de como construir políticas públicas mais inclusivas - e frequentemente associada à esquerda ou vinculada a um suposto "comunismo", completa Vieira. 

A busca por uma Educação mais inclusiva também entra em choque com valores defendidos por setores conservadores, aponta a pesquisadora. "Grupos mais conservadores tendem ainda a buscar uma referência individualizada - eles buscam heróis ou culpados", acrescenta ela. 

EDUCAÇÃO COMO “TRINCHEIRA”

As críticas a Paulo Freire não começaram, entretanto, no governo Bolsonaro. Há mais de uma década, Olavo de Carvalho - responsável por indicar nomes para o governo Bolsonaro e referência para os filhos do presidente e aliados - já criticava a obra e atuação do educador. 

Em vídeo de 2012, ele chamou Paulo Freire de "ilustre desconhecido" e disse que as teorias dele não eram aplicadas em "parte alguma" do mundo. Três anos depois, Carvalho disse que a política educacional desenvolvida por Freire não produzia profissionais competentes.

"Limitando-se a transformar milhares de coitadinhos em igual número de coitadinhos, é o patrono de uma educação nacional que produz analfabetos funcionais em massa", disse na época. 

Professor de Teoria Política na Universidade Estadual do Ceará (Uece), o cientista político Emanuel Freitas lembra que outra iniciativa anterior à eleição de Bolsonaro que criticava Freire era o movimento "Escola Sem Partido" - ainda defendido por setores conservadores. 

"Nós passamos por quase duas décadas da gestão PT e a escola se tornou a trincheira desses setores. O Paulo Freire serviu como símbolo do que eles consideram ser uma doutrinação nas escolas", aponta o cientista político.

USO ELEITORAL DOS ATAQUES

A narrativa de ter um "inimigo a combater" é importante na estratégia do presidente Bolsonaro, argumenta Freitas. Neste caso, o combate às ideias de Paulo Freire - já que as teorias do educador influenciam intelectuais de várias áreas. 

"É um discurso que é muito útil em momentos eleitorais, porque espalha a ideia de um perigo iminente, de um fantasma, e gera um pânico moral". 

Emanuel Freitas - Professor de Teoria Política


Sem nenhum ataque recente do presidente, o cientista político aponta que nada impede que novas ofensivas, além de outras narrativas ideológicas, surjam em períodos eleitorais, como o de 2022. 

"Bolsonaro sabe mobilizar o discurso de um sistema que leva tempo a ser destruído, que está 'ideologizado' por dentro e que não se destrói do dia para a noite. Seria preciso a permanência no poder por mais tempo, a eleição de mais conservadores", exemplifica o professor.

 

https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/pontopoder/centenario-de-paulo-freire-por-que-o-educador-e-alvo-de-ataques-do-governo-bolsonaro-1.3137633 

 

Pode ser um desenho animado de 1 pessoa e texto que diz "Nando Vata "Seria uma atitude ingênua esperar que as classes dominantes desenvolvessem uma forma de educação que proporcionasse às classes dominadas perceber as injustiças sociais de maneira crítica." Paulo Freire"
Pode ser um desenho animado de 3 pessoas e texto que diz "arocartum MEU SANTO DE DEVOÇÃO, MINHA ENTIDADE, MEU GURU 第å"




ONLINE
13