Salário-mínimo menor poder de compra

Salário-mínimo menor poder de compra

Salário-mínimo tem o menor poder de compra em dez anos

A chamada

A chamada "inflação dos alimentos" foi de quase 20% em 2020, de acordo com o Ibre/FGV


PATRÍCIA COMUNELLO/ESPECIAL/JC/         Thiago Copetti

O salário-mínimo nacional chega ao final desta década, e ao começo da nova, com a pior proporção em relação ao custo da cesta básica nacional em dez anos. O valor, que passará de R$ 1.045,00 para R$ 1.100,00 em 1 de janeiro de 2021, tem o poder de compra de cerca de 1,58 cestas básicas, estimada em R$ 696,70, em média, pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Entre 2010 e 2019 esse indicador ficou sempre acima de duas cestas, com exceção de 2016, quando ficou em 1,93. Os anos de 2020 e 2021, no entanto, marcam uma guinada para baixo neste poder de compra. Dizer que o salário-mínimo vai aumentar não é uma realidade precisa. Apenas será corrigido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), estimado para fechar o ano em 5,26% e válido desde sexta-feira (1). Até o final de dezembro, o governo previa o reajuste em 4,1% (corrigindo o salário de referência para R$ 1.088). O índice foi revisto para cima na semana passada – mas ainda assim muito aquém da alta na chamada inflação dos alimentos.

Em economia se costuma relativizar quantias em “aumento real” e “aumento nominal”. Portanto, mudar de R$ 1.045,00 para R$ 1.100,00 implica em aumento nominal de R$ 55,00. Os R$ 55,00 extras, que passaram a valer em 2021, podem hoje comprar pouco mais de 2 quilos de carne moída de segunda, em Porto Alegre, de acordo com dados do Iepe/Ufrgs. Na comparação com o custo da comida nos últimos 12 meses, a perda de poder de compra do novo salário-mínimo de 2021 é relevante, já que a inflação dos alimentos beira os 20% no ano e o reajuste no valor de referência pouco mais de 5%.

Ou seja, a inflação que vai à mesa abocanha toda a correção do “mínimo” e mais um tanto. Assim, para quem mais necessita – o trabalhador de menor renda – dizer que o salário-mínimo vai aumentar é apenas simbólico. Na verdade, o poder de compra encolheu, e não foi pouco.

“Nesta década, a última recomposição relevante do salário-mínimo ocorreu até janeiro de 2015. A partir daí temos somente a manutenção do patamar e, nos dois últimos anos, um decréscimo significativo do poder de compra”, alerta Lúcia Garcia, economista do Dieese, comparando dados de reajuste nominal e dos índices do INPC no período.

Nesta comparação, o ápice do ganho real no salário-mínimo na década ocorreu em 2012, quando o valor passou de R$ 545,00 em 2011 para R$ 622,00 em janeiro de 2012, R$ 77,00 a mais. A alta nominal foi de 14,13% ante um INPC de 6,08%, o que corresponde a um aumento real de 7,59%. Isso porque entre 2011 e 2019 o reajuste incluía, além do INPC, o incremento do PIB de dois anos antes. Era uma forma de repassar ao salário-mínimo o percentual equivalente ao aumento da riqueza nacional, além da recomposição inflacionária. Nos dois últimos anos, a conta foi apenas pelo INPC.

 

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/07/01/206x137/1_carteira_de_trabalho_clt_emprego_desemprego_820140_01_02-8768943.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5d1a3b9c29c95', 'cd_midia':8768943, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/07/01/carteira_de_trabalho_clt_emprego_desemprego_820140_01_02-8768943.jpg', 'ds_midia': 'Região Sul ficou em segundo lugar nas contratações no período, com mais 92.932 pessoas empregadas ', 'ds_midia_credi': 'MAURO PIMENTEL/AFP/JC', 'ds_midia_titlo': 'Região Sul ficou em segundo lugar nas contratações no período, com mais 92.932 pessoas empregadas ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}

Assalariados costumam usar a maior parte dos recursos com comida e têm a renda corroída pela inflação. Foto: Mauro Pimentel/AFP/JC

Economista do Ibre/FGV, André Braz alerta para o fato de que os alimentos pesam significativamente mais no bolso dos mais pobres, já que é basicamente para onde destinam a maior pare dos rendimentos. E por isso um aumento de apenas cerca de 5% no salário-mínimo ante a alta média de 20% é, na verdade, uma corrosão na quantidade de comida que se poderá colocar na mesa da família.

Braz diz que o aumento real no valor de referência na primeira metade desta década promoveu uma distribuição mais equilibrada das riquezas nacionais, reduziu desigualdades e melhorou a qualidade de vida de muita gente. Mas avalia que, por afetar as contas públicas e a Previdência, não era uma forma que se sustentaria por muito tempo.

“A correção pela inflação penaliza a população de baixíssima renda. Quanto menos se ganha, mais se gasta com comida, que aumentou muito acima dos índices médios de inflação. Mas o ganho real praticado na primeira década afetava as contas públicas e a previdência, que já estavam estranguladas”, diz Braz.

O economista ressalta, porém, que corrigir apenas pelo INPC, especialmente neste ano, em que a inflação dos alimentos já alcançou 18,5%, pelos cálculos do Ibre, amplia as desigualdades brasileiras.

“Isso afeta os mais vulneráveis e prejudicados pela pandemia e pelo desemprego. Mas não vejo uma fórmula ideal de correção como regra. Deveríamos, sim, estimular a educação de forma constante, para que as pessoas pudessem ter condições de produzir mais e melhor e aumentar sua própria renda sem depender tanto de reajustes do mínimo”, resume Braz.

Mário de Lima, coordenador da comissão de políticas públicas do Conselho Regional de Economia (Corecon/RS), é crítico do modelo de aumentos reais adotados na primeira metade desta década. Ele classifica como “populismo econômico” o que foi feito se comparado aos danos às contas públicas e da Previdência. Lima também avalia que não há um modelo ideal para o cálculo de reajusta do salário-mínimo e que, atualmente, a maior preocupação é gerar empregos. Assim, mais pessoas teriam ao menos o salário-mínimo depositado mensalmente na conta bancária.

“O grande foco deve ser aumentar a produtividade nacional, não apenas do trabalhador, mas das empresas e dos empresários também. Mais empregos é o que traz justiça social, em um País socialmente injusto há muito tempo. Não se resolve apenas com uma lei impondo um valor maior sem que o Estado tenha como arcar com isso também”, opina Lima.

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2018/08/14/206x137/1_lp_140818___lucia__1_-8434940.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5b72fd139d2f7', 'cd_midia':8434940, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2018/08/14/lp_140818___lucia__1_-8434940.jpg', 'ds_midia': 'Entrevista com Lúcia Garcia para pauta das Mulheres na Economia.', 'ds_midia_credi': 'LUIZA PRADO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Entrevista com Lúcia Garcia para pauta das Mulheres na Economia.', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}

Na década, a última recomposição relevante do salário-mínimo ocorreu em 2015, diz Lúcia Garcia, do Dieese.  Foto: Luiza Prado/JC

Lúcia Garcia, do Dieese, porém, defende que o impacto nas contas da Previdência é justamente para quem mais precisa. E que os valores que respingariam na economia com um salário maior, por meio do consumo e posteriormente em tributos, compensariam a elevação. A economista argumenta ainda que o percentual de servidores públicos que ganham menos do que o salário-mínimo é muito baixo, e por isso o argumento de peso na folha de pagamento dos servidores é reduzido.

“Menos de 5% na folha do Estado fica abaixo do mínimo, e na esfera federal não influencia em nada. Na Previdência, impactaria positivamente para quem mais precisa. O aumento do salário-mínimo é compensando pela efetividade dos ganhos inclusive no comércio. Quem ganha esse valor não poupa, consome. Automaticamente volta para a economia e em tributos”, avalia a economista.

 

https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/economia/2021/01/772778-salario-minimo-tem-o-menor-poder-de-compra-em-dez-anos.html?utm_campaign=Newsletter+JC&utm_content=Economia+-+Sal%C3%A1rio-m%C3%ADnimo+tem+o+menor+poder+de+compra+em+dez+anos+%283%29&utm_medium=email&utm_source=EmailMarketing&utm_
term=news+5-1
 

 

Publicada Medida Provisória que fixa salário mínimo em R$ 1.100

Salário médio mensal melhorou, mostra o levantamento do IBGE

Salário médio mensal melhorou, mostra o levantamento do IBGE

MARCO QUINTANA/JC

O Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira (31) publica medida provisória que fixa em R$ 1.100 o valor do salário mínimo a partir da sexta-feira (1) de janeiro de 2021. Anunciada na quarta-feira (30) pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, a medida tem vigência imediata, mas terá que ser aprovada pela Câmara e pelo Senado e depois convertida em lei.

O Ministério da Economia informou que o aumento considerou que o INPC, índice de inflação que serve de referência para o piso nacional, terminará o ano com alta de 5,22%. Com isso, o piso atual, de R$ 1.045, passaria a R$ 1.099,55 - arredondados então para os R$ 1.100 anunciados.

O valor é um pouco superior aos R$ 1.088 previstos pela equipe econômica em proposta de alteração da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) encaminhada neste mês ao Congresso.

O reajuste, no entanto, apenas repõe a perda no poder de compra dos brasileiros devido à alta de preços ao longo de 2020. Na prática, assalariados e beneficiários do INSS ficarão pelo segundo ano seguido sem aumento real na remuneração.

De acordo com a Secretaria-Geral da Presidência, os trabalhadores pagos mensalmente sentirão os efeitos do aumento em fevereiro.

Para quem trabalha por dia, o valor mínimo a ser pago passa a ser de R$ 36,67, e para quem atua por hora, de R$ 5,00.

Estados podem fixar mínimos mais elevados localmente e pisos específicos para algumas categorias.

Agência Estado




ONLINE
11